Popularização do feminismo em tempos neoliberais

  • Resumo: As palavras “feminismo” e “feminista” estão visivelmente mais presentes nos produtos comunicacionais (Banet-Weiser et.al., 2019; Mendes, 2019). Não é possível dizer, em momentos anteriores, de uma invisibilidade total no cenário nacional, conforme já demonstramos em Sarmento (2017), mas é notório o aumento da presença midiática desses termos e de suas atrizes. Entre “raso demais” e “espaço importante”, tem-se uma indagação para os feminismos contemporâneos: quais os limites da massificação das pautas de um movimento histórico, diverso, plural? Discutimos tal questão observando um produto midiático específico voltado para o público jovem, identificado como fundamental para o “revival” do feminismo contemporâneo. Nesta pesquisa conectamos as seguintes dimensões: a popularização do feminismo; a forma como o fenômeno está relacionado à ambiência digital e a uma demanda também geracional; as implicações da visibilidade para a relação entre neoliberalismo e reivindicações feministas.